Trabalhar os diversos elementos que formam comunidades num contexto de grava exclusão e sofrimento social é a essência do Tratamento Comunitário (TC). Essa é uma metodologia que agrega um conjunto de ações, instrumentos, práticas e conceitos, considerando os diversos atores sociais, numa proposta inclusiva que coloca a comunidade como elemento fundamental nesse processo. A finalidade do TC é a melhoria da qualidade de vida e a ressocialização social e profissional de pessoas em situação de exclusão, assim como de suas comunidades, contribuindo para a transformação social. Assim, torna-se essencial a escuta ativa, ou seja, os agentes que implementam a metodologia precisam estar atentos para as situações das comunidades e seus moradores e moradoras. Precisam perceber as ligações entre os fatos e saber identificar situações de sofrimento social para agir em qualquer âmbito que possa prejudicar a evolução das melhorias da qualidade de vida.

As estratégias para o processo do TC são feitas com a comunidade, na comunidade e para a comunidade. Entende-se que a comunidade já existe e que não se pode impor um conhecimento sem diálogo com o seu cotidiano para promover as melhorias das condições de vida. A construção do conhecimento para essas melhorias acontecerem deve ser feito de forma coletiva e respeitosa, levando em consideração as formas e o modo de vida,  a história, os conflitos, a educação popular e  as pessoas da comunidade. Esses fatores tornam o TC uma metodologia por si só empoderadora, ou seja, a transformação social promovida por ele não acontece apenas no final de seu processo, mas sim desde o inicio e continua de forma constante.

Para o processo do TC existir e caminhar para sua finalidade, ele considera de extrema importância as alianças de parcerias e de redes (organizações/instituições públicas e privadas), de protagonismo local e regional, de articulação entre atores da sociedade civil e governamentais. Dessa forma fica claro que o TC não age em fatores de forma isolada, mas busca manter o diálogo entre os diversos atores sociais e as instâncias ao seu redor.

Sistema de Diagnóstico Estratégico (SiDiEs)

O SiDiEs é um dos instrumentos utilizados na metodologia do Tratamento Comunitário. Com ele, conseguimos diagnosticar representações sociais nas comunidades e nas escolas, temas geradores para serem trabalhados, casos de sofrimento social e violências. É com o ele que também identificamos redes potenciais para parcerias no desenvolvimento de atividades que tratam da comunidade e sua juventude. O SiDiEs nos dá o diagnóstico para fazermos um Tratamento Comunitário que nos leve para uma transformação social mais profunda.