A Educação entre Pares, termo vindo do inglês “peer educator”, é um processo de ensino e aprendizagem no qual jovens, adolescentes e crianças atuam como facilitadores das ações e atividades para outros adolescentes, crianças e jovens. Ou seja, são iguais falando para iguais¹. Nele há o empoderamento coletivo já que quem ensina, além de repassar o conhecimento, também aprende nesse processo. Todos/as atores/as encontram-se em um círculo de aprendizado contínuo. Na Educação Entre Pares, os facilitadores e as facilitadoras não estão num patamar maior, não há hierarquias e nem domínios de poder, presente, por exemplo, em modelos de educação tradicional. Por virem, geralmente, da mesma comunidade, do mesmo grupo social e faixa etária a linguagem de todas e todos é semelhante. Ou seja: o formador ou a formadora não é a pessoa que sabe tudo, mas sim aquela que conduz processos coletivos para a construção de novos conhecimentos e saberes por meio de questionamentos, reflexões e discussões².

Por passarem pelo mesmo sofrimento social do grupo trabalhado, ocompreendem quais abordagens podem aproximar o público, quais os termos e exemplos que facilitem a compreensão e quais as maiores necessidades presentes no contexto em que se está desenvolvendo as ações. Mas é preciso um empenho do educador e da educadora que não é somente vir da mesma realidade. É importante que tenham ouvidos e percepções atentos para identificar as linguagens não orais, e que pratiquem o respeito, se livrem de julgamentos e aceitem as diferenças para que também possam passar esses valores para seus grupos e, ao mesmo tempo, estarem abertos para aprender com a diversidade de mentes que irão se deparar, desconstruindo as representações sociais negativas. Nesse sentido, qualquer adolescente, criança e jovem pode vir a ser um Educador ou Educadora Par.³

A Educação entre Pares, afinal, vem para transformar de forma estrutural problemáticas da sociedade que, muitas vezes, são agravadas nas comunidades em situação de vulnerabilidade social. Internalizar os valores de justiça, respeito e igualdade torna-se fundamental nesse processo e faz o caminho para o aprendizagem mais estruturante.

 

*baseado na Cartilha: Adolescentes e Jovens Para a Educação entre Pares.