O Grupo AdoleScER ao longo dos anos em suas atividades de intervenção acumulou uma experiência de formação com professores nas escolas públicas em que atua para prevenção e redução da violência escolar baseada na metodologia da Educação entre Pares e no dispositivo da ZOE (Zona de Orientação Escolar), que tem por base a identificação de potenciais líderes de opinião, ativação de estudantes e aprofundamento de pesquisas para entender a dinâmica do espaço.

Tendo em vista um conjunto de ações importantes e exitosas neste campo da prevenção e redução da violência escolar foi pensada a possibilidade de ampliar à outras escolas as metodologias que são aplicadas e um conjunto de possibilidades que direcionam e fortalecem as expertises dos estudantes e professores a partir das ferramentas existentes na sala de aula e na escola de forma geral.

Neste sentido algumas estratégias foram pensadas na perspectiva de consolidar o processo de multiplicação das ações que são desenvolvidas em escolas públicas:

  1. Estabelecer parceria com o projeto Não Violência Nas Escolas, que desenvolve uma ação importante no Estado de Pernambuco no campo da formação de professores através da metodologia humanista.
  2. Reuniões com a Secretaria Estadual de Educação para articulação de professores da rede e assinatura de termo de parceria, formalizando a ação.
  3. Elaboração de um currículo de formação, em quatro módulos, subdivido em temas que há relação com os problemas existentes no ambiente escolar.

Após estas etapas consolidadas os módulos formativos foram organizados com os respectivos temas: Fortalecimento pessoal, Ludicidade e Criatividade, Mediação de conflitos, Transformação social. A articulação é feita com as escolas para formação dos professores e um calendário é organizado.

          Nas formações é possível perceber a carência dos docentes no campo da utilização de metodologias que envolvam os estudantes, proponham ações em rede com a comunidade escolar e instigue a reflexão e a pesquisa.  Foi estabelecido dois contrapontos durante este processo formativo: o primeiro é das potencialidades que há na escola, considerando seu entorno, experiência dos professores e gestão, envolvimento dos estudantes. O segundo é o dos graves problemas e das violações constantes que permeiam o uso abusivo de drogas, brigas frequentes, falta de respeito e estrutura das escolas.

          A proposta formativa com os professores tomou por base justamente essas informações, quais potencialidades e problemas que podem ser transformadas em ferramentas do processo de prevenção e redução da violência escolar, que foi articulado a ações chamadas de Gesto Concreto, que consistem em implementar na escola o que foi estudado e construído nas formações.

          Desta primeira experiência em 2019 é válido ressaltar alguns resultados deste processo que foram obtidos em dois ciclos de formação, cada um em um semestre diferente: foram mais de 40 professores formados; há um subsídios de formação que pode ser usado para outras experiências formativas; há um processo multiplicador através dos professores à estudantes e consequentemente às escolas; uma parceria com a Secretaria de Educação, devidamente publicada no diário oficial foi feita.

          Em 2020 a perspectiva é que as formações deem seguimento e possam alcançar mais professores da rede municipal de ensino e estes possam multiplicar a seus pares as experiências e assim contribuir na prevenção e na redução da violência escolar.

André Fidelis,
Pedagogo e especialista em gestão educacional

Dezembro 2019