– Maio 2018 –

Texto de Igor Luan, jovem educador do Grupo AdoleScER

  Atualmente o Brasil se encontra em uma fase não muito boa de sua conjuntura: a desigualdade e o desrespeito aos direitos da população brasileira tem sido extrema, sobretudo desde 2017. A atual realidade política do país está bastante complicada, e se a população não se movimentar, se conscientizar, a tendência infelizmente é tudo isso piorar, por isso, é necessário discutir sobre as questões de organização comunitária e de incidência política com adolescentes e jovens, assim como se é feito nas ações da instituição. Esses fóruns comunitários fazem parte de um novo projeto com apoio pela instituição alemão Weltfriedensdienst e.V.

O Grupo AdoleScER atualmente não só quer construir essas reflexões com o público que atua diretamente, que estão no dia a dia da instituição, mas também pretende expandir esse diálogo a outras comunidades do Recife, quiçá da região metropolitana, tudo isso depende do nosso comprometimento, militância e organização interna. Os/As adolescentes e jovens que participam das atividades de protagonismo da instituição vem se fortalecendo cada vez mais nas temáticas sociais, nas participações de construções coletivas de seus bairros e com isso estão se preparando e se organizando para instalação de um novo dispositivo nas suas comunidades, o qual chamamos de Fóruns Comunitários, que será um espaço de discussão e de organização popular para que os moradores debatam, se organizem e lutem pela melhoria de suas casas, de seu bairro, a partir do protagonismo e autonomia deles e delas. Todo processo de construção está sendo realizado pelos/com os adolescentes e jovens dos líderes de opinião que são formados na instituição, em temas diversos que tem como linha de atuação principal a incidência política, a proposta é que eles e elas também irão ficar à frente das reuniões do Fóruns.

Os Fóruns comunitários inicialmente serão implementados em quatro comunidades da Cidade do Recife: Santo Amaro, Caranguejo/Tabaiares, Santa Luzia e Roda de Fogo. Sendo uma experiência pioneira de mobilização de lideranças juvenis que deverão identificar e incidir sobre os demais problemas da comunidade, que vão desde a questão do lixo até a redução da violência. Tudo isso ocorrerá de forma participativa, horizontal que contribuirá com a organização popular.