Já parou para pensar como é trabalhar com adolescentes e jovens?

Porque será que as pessoas falam tanto: “Para trabalhar com jovem tem que ter muita paciência”, “Os jovens de hoje não querem nada com a vida” … essas e outras representações sociais são destinadas a nossa juventude, mas será que é assim mesmo?

Em um país onde o poder está centralizado e a riqueza é voltada apenas a uma classe, a prioridade do governo não é olhar para os jovens, principalmente aqueles que estão em situação de alta vulnerabilidade socioeconômica. Portanto, se faz necessário implementações de políticas públicas e discussões voltadas pra às juventudes nos espaços onde atuamos, e com isto, o Grupo AdoleScER vem se fortalecendo intensamente em suas quatro comunidades, estabelecendo diálogos constantes, formações e intervenções estratégicas que possam contribuir com a formação de adolescentes e jovens nestes territórios. 

Trabalhar com jovens, é nada mais nada menos que acreditar na esperança de nosso país, acreditar que uma sociedade melhor é possível e que através deles/as podemos desmistificar a representação tão negativa que parte da sociedade tem sobre a juventude, principalmente quando esta juventude, é pobre, preta e de comunidade.

Nas comunidades em que trabalhamos percebemos que os/as jovens têm muito potencial, muito talento, pessoas inteligentes e, sobretudo, com vontade de querer mudar, com vontade e de querer mudança. Proporcionamos vez e voz a esse público e através deles/as podemos multiplicar informações para outros jovens, de temas sociais e populares presentes em nossas vidas. Ressalta-se que: é muito gratificante ver o desenvolvimento de cada uma e cada um deles, aquele jovem tarjado como “perturbador” começar a mudar suas práticas, aquela menina que nem abria a boca, hoje consegue se expressar muito bem na frente de todos/as, ou até aquele caso que parecia não ter mais jeito, se tornando referência e exemplo de mudança para outras pessoas.  

Atualmente, trabalhamos diretamente com 08 grupos de adolescentes, em com cerca de 150 adolescentes e jovens que são denominados de “líderes de opinião” os mesmos são por muitas vezes não reconhecido como líderes por serem jovens e não serem representante formal de nenhum espaço (ex: presidente de uma associação) e por isso são consideradas lideranças informais dentro de nossa metodologia do tratamento comunitário*, mas que muitas das vezes contribui até mais que outras lideranças formais, são denominados de líderes por serem jovens que tem capacidade de influenciar os seus pares de forma positiva, jovens esses que são incríveis e que repassam tudo que aprende em outro espaço para jovens de sua mesma faixa etária fazendo jus a metodologia de Educação entre pares*. Nós enquanto educadores, ensinamos, mas aprendemos muito também, jovem é difícil? Um pouco, como todos/todas nós somos, mas isso parte da personalidade de cada um e cada uma, mas não se pode generalizar, além de jovens, não podemos esquecer que são seres humanos, são pessoas e com histórias de vidas incríveis e com um futuro brilhante.

 Nós do Grupo AdoleScER acreditamos no potencial da juventude e seguimos na luta para uma transformação social através deles e delas.

Texto: Igor Luan/ Educador Social